Como o Voto Distrital Misto aproxima a população e seus representantes políticos

  • VDM
  • 8 de outubro de 2019

Hoje, 80% dos eleitores não se sente representados pelos seus políticos (IPSOS, 2017). Essa desconexão acontece pela falta de contato e conhecimento do eleitorado e seus representantes. Por sua vez, esse distanciamento se dá por conta de dois fatores:

1 – O sistema de redistribuição de votos, que permite aos candidatos mais votados e que ultrapassaram o quociente eleitoral eleger seus pares menos votados. Esse efeito ficou conhecido na figura dos puxados de voto, que apesar de terem seu poder reduzido na última mudança legislativa referente aos sistema eleitoral, ainda representam uma realidade nas eleições brasileiras.

2 – A falta de proximidade dos políticos e a dificuldade em acompanhar o seu trabalho também é fator inibidor da melhor relação população e políticos eleitos.

O Sistema Distrital Misto por resolver o problema da representação política, uma vez que o modelo favorece tanto um modelo de voto com base em pautas e princípios presentes nos partidos mais coesos, mas sem negligenciar a importância da representação geográfica regionalizada, que garantiria que regiões com tipos de atividades econômicas afins, condições de solo e clima similares , níveis socioeconômicos comparáveis, dentre vários fatores, poderiam eleger deputados mais afinados e conhecedores das diferentes realidades locais.

 

Conheça aqui outras vantagens do Voto Distrital Misto:

Diminuição do número de partidos: favorece a redução do número de partidos e candidatos, uma vez que os recursos de campanha seriam mais focalizados em candidatos com maior chances de vitória.

Diminuição dos custo de campanha: eleições distritais são mais baratas que eleições gerais, uma vez que os candidatos de determinado distrito faria campanha apenas naquela localidade.

Nesse sentido, o estudo apresenta um dado de extrema relevância: se a eleição de 2018 fosse realizada no modelo Distrital Misto, ela teria custado 10% menos.   Hoje, por volta de 6% dos candidatos consumiram mais de 40% dos mais de R$ 5  bilhões  gastos entre recursos públicos e privados nas campanhas no ano passado.  Segundo essa mesma pesquisa, em distritos com candidaturas concorrentes, os gastos  podem ser em média de 25%, em casos com um concorrente, a até 50% mais baratas, em distritos com 10 concorrentes.

Renovação regional: eleições distritais acabam por priorizar candidatos com maior conexão com aquela região. Fortalecendo os laços entre população e representante político.

Em países onde o sistema já é adotado, políticos com experiência de gestão pública têm maior probabilidade de vencer nessas regiões. O que é bom para o sistema político.